Sistema Eletrônico de Administração de Conferências, XXIII Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica da UTFPR

Tamanho da fonte: 
ANÁLISE INTERSEMIÓTICA COMPARATIVA DAS OBRAS ‘LUNA CALIENTE’ E ‘ONDE OS VELHOS NÃO TÊM VEZ’
Thais Stolfo

Última alteração: 2018-11-29

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo a explanação das pesquisas em torno da análise intersemiótica dos romances ‘Luna Caliente’ e ‘Onde os velhos não têm vez’ levando em conta a ascensão do criminoso. Nesse sentido, no romance ‘Luna Caliente’ analisei o estilo noir e a narração do crime pela perspectiva do assassino. Já em ‘Onde os velhos não têm vez’ verifiquei a crueldade e indiferença, características de Chigurh, o assassino deste romance. Durante as pesquisas nos baseamos em alguns críticos para validarmos os nossos apontamentos. No campo do romance policial, Massi (2011) e Todorov (2006) foram os principais críticos estudados. Já no campo da adaptação, Hutcheon (2013), Stam (2006) e Leitch (2003) foram essenciais para entendermos como se dá a arte semiótica. O principal resultado obtido durante esse estudo foi a percepção de que, assim como o detetive, o criminoso também sofreu transformações na transição do romance policial tradicional para o contemporâneo. As adaptações sofreram transformações no que diz respeito à recontextualização e à ambientação, porém, a essência romanesca foi mantida pelos diretores de ambas as películas.